O Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE) reúne-se esta quinta-feira, dia em que se espera a manutenção da taxa diretora no atual mínimo histórico de 0,05% e mais detalhes sobre a compra de ativos.

De acordo com o consultor da Informação de Mercados Financeiros Nuno Rolla, citado pela Lusa, «não se esperam novos cortes na taxa de juro, mas sim, mais detalhes sobre o programa de compras de ativos ABS (asset-backed securities)», que deverá começar em outubro.

Em setembro, após a reunião do Conselho de Governadores do BCE, o presidente da instituição, Mario Draghi, anunciou um programa de compra de dívida privada para apoiar o mercado de crédito e dinamizar a economia da zona euro, mas sem precisar o montante deste programa.

O pacote de compra de ativos do BCE inclui também créditos hipotecários em euros emitidos por instituições financeiras da zona euro, revelou então Draghi, segundo o qual «estes títulos ABS vão servir para que o crédito chegue à economia real».

A economista do BPI Teresa Gil Pereira tem a mesma expetativa, afirmando que «a taxa de juro será mantida no nível atual», estando as atenções voltadas para a intervenção de Draghi, que deverá apresentar detalhes sobre a compra de ativos anunciada em setembro.

Também o economista do Montepio Rui Bernardes Serra antecipa que o BCE deverá manter a taxa de juro de referência no mínimo histórico de 0,05%, «não devendo anunciar novos programas de compra de dívida ou de concessão de crédito, mas mantendo a porta aberta a mais medidas, se necessário».

Em setembro, o Conselho de Governadores do BCE decidiu cortar a taxa de juro diretora na zona euro para um novo mínimo histórico de 0,05%.

Em junho, o BCE cortou a taxa de juro diretora para 0,15% e colocou em valor negativo a taxa de depósitos (-0,10%). Esta taxa de depósitos passou para -0,20%, o que penaliza mais os bancos que depositam dinheiro no BCE.

O BCE reduziu também em 10 pontos a taxa de facilidade permanente de cedência de liquidez, através da qual o banco central empresta dinheiro aos bancos a um dia, passando-a para 0,30%, com efeitos desde 10 setembro.

O BCE baixou a sua taxa diretora seis vezes desde 2012