Os meios de comunicação social gregos iniciaram esta quarta-feira uma paralisação de 24 horas, adiantando-se à greve geral convocada para quinta-feira pelas principais organizações sindicais em protesto contra os cortes do Governo do conservador Antonis Samaras.

Desde as 06:00 (04:00 em Lisboa) de hoje até à mesma hora de quinta-feira, não haverá telejornais nas televisões ou espaços informativos nas rádios, não se atualizará a informação nos meios online e na manhã de quinta-feira não haverá jornais nas bancas.

Com esta ação, os jornalistas juntam-se aos protestos convocados por duas das principais confederações sindicais – ADEDY, do setor público, e GSEE, do privado – contra as políticas de austeridade e o conteúdo da nova lei do orçamento.

Além disso, os profissionais dos meios de comunicação social exigem um contrato coletivo (o último data de 2009 e desde então, em quase todas as empresas houve cortes salariais), protestam contra o trabalho precário e pedem a reabertura da televisão pública, ERT, encerrada em junho do ano passado.

Uma manifestação foi convocada para o meio-dia de hoje, em frente à sede do sindicato de jornalistas de Atenas.

Os sindicatos do setor público e privado instaram à adesão à greve de quinta-feira, a segunda geral do ano contra medidas de austeridade, que incluem novos despedimentos no setor público.