O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, anunciou esta quinta-feira uma concentração nacional de dirigentes e ativistas sindicais para dia 25, junto à Assembleia da República, para protestar contra os cortes salariais na função pública que serão aprovados nessa data.

Em Lisboa grita-se: «Existem soluções, queremos eleições»

Jerónimo: trabalhadores «não se cansam» da luta

A ação de protesto inicia-se com uma concentração nos jardins de São Pedro de Alcântara, em Lisboa, seguida de um desfile até ao parlamento, para ali rejeitarem a proposta de lei sobre a reconfiguração dos cortes salariais para a administração pública.

Esta concentração foi aprovada no âmbito de uma resolução reivindicativa pelos milhares de manifestantes que estão hoje concentrados em São Bento contra as políticas do Governo, num protesto para mostrar ao Executivo e à maioria parlamentar o repúdio dos trabalhadores relativamente às propostas de lei que deverão ser aprovadas esta quinta-feira na Assembleia da República.

A Inter considera que as propostas legislativas do Governo que vão ser votadas «são altamente lesivas para os trabalhadores» e vão contribuir para «o desmantelamento da contratação coletiva».

Uma das propostas prevê o prolongamento do período para a redução do pagamento do trabalho extraordinário, enquanto a outra reduz os prazos de caducidade e de sobrevigência das convenções coletivas de trabalho.