Centenas de pessoas estão concentradas junto ao aeroporto de Lisboa para demonstrar ao Governo o descontentamento face à decisão de privatizar a companhia aérea, numa iniciativa organizada pelo movimento «Não TAP os olhos».

Na primeira fila, trabalhadores da TAP e da Groundforce seguram cartazes a rejeitar a privatização da empresa e a manifestar o seu amor pela empresa, com frases como «I love TAP”, “TAP, orgulho nacional», entre outras, nota a Lusa.

Entre os manifestantes, que se acotovelam debaixo da pala da entrada do aeroporto, surgem também folhas a pedir a demissão do ministro da Economia, Pires de Lima, e do secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, os dois responsáveis do Governo pelo processo de privatização da TAP.

Pelo meio dos presentes encontram-se figuras como o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, o deputado do Bloco de Esquerda Pedro Filipe Soares, o advogado Garcia Pereira e o cineasta António-Pedro Vasconcelos que lidera o movimento «Não TAP os olhos».

O Governo relançou a privatização da TAP em novembro e já este mês aprovou em Conselho de Ministros o caderno de encargos, que define as condições para a venda de até 66% do capital do grupo até ao final do primeiro semestre.

No início de fevereiro será disponibilizada a restante informação económica e financeira sobre o grupo aos interessados, revelou na quarta-feira o secretário de Estado dos Transportes adiantando que estes terão que assinar um compromisso de confidencialidade para aceder aos dados que permitem perceber a realidade da TAP.