O presidente do Governo Regional da Madeira defendeu esta segunda-feira que o Banco Central Europeu (BCE) devia poder emprestar dinheiro aos Estados soberanos para estes se precaverem da volatilidade dos mercados.

«Quando se fez o euro e o BCE, cometeu-se, a meu ver, um erro muito grave nos estatutos do BCE em que o banco central pode emprestar a bancos, mas não pode emprestar a estados soberanos», disse o governante madeirense.

Ao falar à margem da inauguração da horta social da Santa Casa da Misericórdia de Machico, Alberto João Jardim questionou «como era possível o BCE ser propriedade dos Estados soberanos e não poder emprestar aos Estados soberanos e os Estados soberanos não terem um instrumento de banco central - que devia ser o BCE - para poderem controlar os mercados, as taxas de juro, etc?».

«Tudo isto é surrealista, tudo isto é uma patetice, eu costumo dizer que é preciso mudar tudo isto de raiz, o BCE tem de poder emprestar dinheiro aos Estados por muito que os teóricos da economia digam que não», defendeu.

Segundo o governante madeirense, «a solução é mudar os estatutos do BCE, tem que haver um mecanismo de soberania monetária por parte dos Estados, o povo está a viver um logro que foi construir uma União Monetária desta maneira», declarou.

A Santa Casa da Misericórdia de Machico, com o apoio da Câmara Municipal de Machico, criou uma horta social com 85 árvores e outros vegetais para «amenizar os seus custos operacionais», disse o provedor Luís Delgado.

Esta instituição acolhe 77 idosos, 54 crianças e 55 pessoas no Centro de Dia.

Na parta da manhã, o presidente do Governo Regional inaugurou, no Centro de Saúde do Bom Jesus, o novo Serviço de Saúde Oral e a Unidade de Colheita de Análises e de Radiologia.