O resultado líquido da Zon, operadora que está em processo de fusão com a Optimus, aumentou 21,6% no primeiro semestre, face a igual período de 2012, para 24,4 milhões de euros.

«A Zon continua a demonstrar, no segundo trimestre de 2013 e no primeiro semestre, uma forte resiliência, com a melhoria das suas margens operacionais, não obstante o constrangimento do mercado e da quebra de consumo das famílias e empresas», refere a Zon, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). No segundo trimestre, o resultado líquido subiu 31,3%.

Nos primeiros seis meses do ano, as receitas de exploração recuaram 0,8%, para 425 milhões de euros, adiantando a Zon que «o ambiente macroeconómico que se faz sentir em Portugal tem tido, sobretudo, reflexo numa maior pressão nas receitas de canais Premium».

O resultado antes de juros, impostos, amortizações e depreciações (EBITDA) subiu 3,2%, para 163,6 milhões de euros. «A disciplina nos custos e o enfoque na eficiência levaram a um crescimento de 3,2% do EBITDA, com a margem EBITDA a aumentar 1,5 pontos percentuais, para 38,5%», adianta a Zon no comunicado.

«A margem da ZAP [negócio da Zon em Angola e Moçambique] verificou igualmente uma forte progressão para 29,7%, valor que compara com os 5,4% registados no ano anterior».

O investimento (Capex) recuou 2,6% nos primeiros seis meses do ano, para 55,8 milhões de euros, e a dívida financeira líquida diminuiu em 8,4%, para os 605,2 milhões de euros.

No final de junho, a Zon contava com 1,543 milhões de clientes, uma diminuição de 2,7% face ao período homólogo, «com a pressão a sentir-se sobretudo nos canais Premium».

De acordo com a Zon, «esta pressão conduziu a uma redução de 1% no ARPU global [receita média por cliente]». No entanto, a receita média por cliente base evoluiu 0,9%, «suportada sobretudo pelo crescimento da base de clientes dos pacotes de topo da gama Iris».

No final do primeiro semestre, a operadora prestava cerca de 3,48 milhões de serviços, entre os quais televisão, banda larga e voz, mais 1,9% que em igual período de 2012.

Os clientes de oferta tripla (¿triple play¿), que inclui televisão, internet e telefone fixo, aumentaram 7,6%, para 786,1 mil, e os clientes da oferta Iris mais que duplicaram (+109,7%), para 338,7 mil. «Os clientes de «triple play representavam 65,3% da base de clientes de cabo, ou seja, mais 5 pontos percentuais que no período homólogo de 2012».

O administrador financeiro da Zon considerou, em declarações à agência Lusa, que os resultados do primeiro semestre foram positivos, apesar da contração do consumo, e destacou o contributo da operação da Zap em Angola.

«Fechamos mais um semestre de resultados financeiros positivos, apesar da contração do consumo privado em Portugal, tendo o forte contributo da Zap em Angola e Moçambique», afirmou José Pedro Pereira da Costa.

Para o administrador financeiro, o contributo da Zap nos resultados da Zon foram «muito positivos».