O volume de negócios da Riberalves subiu 9% até junho, face igual período de 2012, para 61 milhões de euros, o «melhor semestre» da história da empresa, anunciou esta quarta-feira a líder mundial na indústria e transformação de bacalhau.

Em comunicado, a Riberalves adiantou que «nos primeiros seis meses do ano a empresa comercializou cerca de 14.500 toneladas de bacalhau».

O grupo português, fundado há 28 anos, acrescentou que «historicamente o segundo semestre representa cerca de 60% das vendas totais, uma vez que neste período se registam os picos de consumo típicos no mercado português, nomeadamente em agosto (visitas dos imigrantes e dos turistas) e em novembro e dezembro (época de Natal».

No ano passado, a Riberalves vendeu cerca de 29.500 toneladas de bacalhau, com um volume de negócios de 136,8 milhões de euros. Face a 2011, o crescimento em 2012 foi de 7,4%.

No mercado português, as vendas de bacalhau seco e bacalhau demolhado ultracongelado da Riberalves aumentaram 12,2% entre janeiro e junho, «mas os resultados da empresa também são fortemente impulsionados pelas exportações, onde se regista um crescimento de 4,3% na venda destes produtos», acrescentou a empresa liderada por João Alves.

Em termos de exportações, estas aumentaram 511% entre 2006 e 2013.

«De acordo com os dados da Kantar World Panel, nos primeiros seis meses do ano as vendas de bacalhau seco e bacalhau demolhado ultracongelado em Portugal cresceram 5,1%», com o volume de negócios da Riberalves a ficar acima da tendência do mercado português, numa altura de crise económica.

«Os números que apresentamos resultam do crescimento do mercado interno, mas também do comportamento das exportações que, em 2012, já representavam 42% das nossas vendas totais em quantidades», adiantou João Alves, presidente e fundador, citado no comunicado.

«Vamos continuar a crescer de forma sustentada, nomeadamente através do bacalhau demolhado ultracongelado, produto no qual nos tornámos pioneiros, somos líderes mundiais, e que tende a ser cada vez mais procurado pela sua elevada qualidade e sabor, mas também pela sua enorme comodidade», acrescentou.

O grupo cita dados da Kantar World Panel que apontam a Riberalves como líder nacional no bacalhau demolhado ultracongelado, excluindo as marcas próprias.

«Este é o segmento de mercado com maior potencial de crescimento, onde a empresa, ao longo dos últimos 10 anos, desenvolveu na sua fábrica da Moita tecnologia e métodos de produção próprios, naquela que é a sua maior fábrica mundial de transformação de bacalhau», referiu a empresa no comunicado.

Esta fábrica tem uma área coberta de 44 mil metros quadrados e dá emprego a cerca de 260 pessoas.

«Nos últimos quatro anos, a Riberalves investiu 20 milhões de euros na modernização e aumento da capacidade produtiva das suas instalações fabris».

Criada em 1985, a Riberalves focou-se exclusivamente no setor do bacalhau em 1990. A primeira unidade foi inaugurada em 1993 em Torres Vedras e este ano, com a compra da Comimba, a capacidade produtiva aumetnou em 60%.

O grupo integra também as empresas Novo Dia, na área do café, e a AdegaMãe, um investimento de cinco milhões de euros no enoturismo e projeto de referência na região de vinhos de Lisboa, refere a Lusa.