O resultado líquido do Banco Popular Portugal cresceu 484,5%, para 13,3 milhões de euros no ano passado, um valor que compara com o lucro de 2,3 milhões de euros em 2014, informou esta segunda-feira a entidade.

Para este resultado contribui sobretudo a melhoria no produto bancário, fortemente influenciada pelos outros resultados de exploração. As provisões para crédito aumentaram cerca de 1,1 milhões de euros, quando comparadas com o exercício anterior e a imparidade de outros ativos líquida de reversões e recuperações aumentou cerca de 19 milhões de euros", lê-se no comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O produto bancário aumentou 21,1%, para 208,6 milhões de euros em 2015, com as comissões líquidas cobradas aos clientes pela colocação de produtos e prestação de serviços a atingirem 49,9 milhões de euros, um decréscimo de 10,5% face ao ano anterior.

Já as comissões relacionadas com operações de crédito (08,6%) e outras comissões (26%) evoluíram favoravelmente, ao contrário das comissões relacionadas com seguros (-70,8%) e com meios e cobrança e pagamento (-15,4%).

Relavitamente às restantes componentes do produto bancário, salienta-se a redução de cerca de 7,3 milhões de euros em resultados de operações financeiras, a recuperação de cerca de 5,1 milhões de euros de alienação de outros ativos e um incremento em outros resultados de exploração em cerca de 47,6 milhões de euros", informou o Popular Portugal.

E especificou: "Este valor resultou da venda da unidade de negócio responsável pela gestão de ativos imobiliários e de exposições creditícias de clientes associadas ao setor imobiliário do Banco Popular Portugal para a sociedade Primestar, SA (ex Recbus-Recovery to Business, AS), participada em 20% pelo Banco Popular Español".

Os ativos totais sob gestão cresceram 6,4%, para 9,988 mil milhões de euros, enquanto os recursos de clientes ascenderam a 6,01 mil milhões de euros (mais 22,3% do que em 2014), um valor próximo do crédito concedido que se fixou nos 6,08 mil milhões de euros.

O número de colaboradores da instituição baixou 10,5%, para 1.162 pessoas (menos 137 do que em 2014), e o número de agências caiu 2,3%, passando de 173 em 2014 para 169 em 2015.