A Galp Energia, SGPS, S.A totalizou no primeiro semestre deste ano um resultado líquido ajustado de 250 milhões de euros, mais três milhões (1%) do que no mesmo período do ano passado.

De acordo com os resultados comunicados à Comissão de Mercado de Valores e Mobiliários (CMVM), a Galp teve nos primeiros seis meses do ano um EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) total de 892 milhões de euros, mais 262 milhões do que no período homólogo.

Segundo a empresa, de acordo com as Normas Internacionais de Relato Financeiro (IFRS), o resultado líquido foi de 243 milhões.

Ainda de acordo com a informação enviada ao regulador de mercado, a 30 de junho, a dívida líquida da petrolífera situava-se em 1,3 mil milhões de euros, "considerando o empréstimo à Sinopec como caixa e equivalentes".

Recorda ainda a Galp que a 1 de junho, o consórcio para o desenvolvimento da Área 4 em Moçambique anunciou a decisão final de investimento relativa ao projeto FLNG Coral Sul. "O projeto é o primeiro a desenvolver as relevantes descobertas de gás natural na bacia do Rovuma e consistirá numa unidade flutuante de liquefação de gás natural (FLNG) com uma capacidade de c.3,4 milhões de toneladas por ano (mtpa)". Prevê-se para 2022 o início da produção.

As ações da Galp estão a avançar 1,6% para 13,6 euros.