O Estado vai receber este ano menos 57 milhões do Banco de Portugal, o valor mais baixo desde 2011. É que os lucros do supervisor da banca recuaram 23% para 233 milhões de euros em 2015. O fecho de contas foi tornado público esta segunda-feira, mediante um comunicado e respetivo relatório no site do Banco de Portugal.

"O resultado apurado possibilitou uma distribuição de dividendos ao Estado de 186 milhões de euros (243 milhões em 2014)".

É preciso recuar a 2011 para encontrar um valor inferior. Bastante inferior até: nesse ano foram entregues ao Estado 19 milhões de euros. Em 2012, tinham sido 359 milhões e, em 2013, 202 milhões.

O supervisor da banca dá ainda conta que reforçou provisões em 480 milhões de euros, em 2015, em grande parte por causa de programa de compra de ativos, que foi reforçado em mais 11 mil milhões de euros, dedicados principalmente a investimentos em dívida soberana.

O resultado de 2015 é, assim, inferior em 71 milhões de euros ao de 2014. Já o reforço de provisões foi maior (480 milhões vs. 245 milhões no ano anterior).

As reservas de ouro do Banco de Portugal valiam 11,9 mil milhões de euros em 2015, menos 1,5%.