António Horta Osório, presidente do grupo Lloyds Bank, vai receber 11,5 milhões de libras (cerca de 15,8 milhões de euros) de remunerações relativas a 2014, a maior parte ligadas a incentivos de longo prazo, anunciou o banco inglês em comunicado, noticia a Lusa.

O Lloyds refere também que os seus braços direitos, George Culmer e Juan Colombás, irão receber cada um cerca de 5 milhões de libras (6,9 milhões de euros). O gestor português já havia recebido em 2013 cerca de 7,4 milhões de libras (10,2 milhões de euros), um valor que criou polémica por o banco ter dado prejuízo.

Mas, no ano em que António Horta Osório colocou o banco britânico nos lucros e a distribuir dividendos aos acionistas desde que foi resgatado pelo Estado em 2008, injetando cerca de 27 mil milhões de euros, o comunicado do Lloyds discrimina as parcelas da remuneração do gestor português, das quais pouco mais de um milhão de libras corresponde ao salário base. Os restantes 10,5 milhões são ações do banco (900 mil libras), pensão (568 mil libras) e o bónus anual de 800 mil libras. A fatia de leão refere-se a incentivos de longo prazo, expressos em ações, no montante de 7,4 milhões de libras.