Maior vigilância no pós-troika vai continuar a ser a dos mercados