Um ranking elaborado pela GoBankingRates, um site especializado na área das finanças, revela os 50 países do mundo mais baratos para se viver. 

Foram usados quatro critérios para a composição da lista usando bases de dados disponíveis na Internet:

- Poder de compra local para um salário médio

- Valor médio do arrendamento das casas

- Valor dos bens alimentícios nos supermercados

- Índice de preços ao consumidor de bens e serviços que inclui, por exemplo, restaurantes e transportes

Todos os critérios foram comparados a critérios de Nova Iorque e as diferenças são grandes em alguns casos. No arrendamento de casas, por exemplo, e olhando para os primeiros 50 países da lista há uma diferença de 70%. Já a nível da comida os preços são 40% mais baixos. Quanto ao índice de preços ao consumidor a diferença fica nos 30%.

No topo da lista, como o país mais barato para se viver, surge a África do Sul. Por comparação com Nova Iorque: o poder de compra local é 26,9% mais elevado; o arrendamento de uma habitação é 87,5% mais baixo; a alimentação é 71% mais barata e os preços de bens e serviços são também 65,8% mais baixo.

Em segundo lugar surge a Índia. Aqui o poder de compra local é 20,9% mais alto que em Nova Iorque. Arrendar uma casa fica 95,2% mais barato. O preço dos bens alimentares são 74,4% mais baixos, enquanto os bens e serviços são também 74,9% mais baratos.

No último lugar do top 3, surge o Kosovo com um poder de compra local de 33,8% mais baixo; o arrendamento pode custar menos 91,5% e os alimentos são 75,8% mais baratos. Por fim, os bens e serviços são menos 72,6%.

Quanto a Portugal, que ocupa o 44º lugar da lista, por comparação com Nova Iorque, as diferenças também são grandes. Quanto ao poder de compra, somos 26,9% mais baratos; em relação ao arrendamento, este também custa menos 86,8%. Os alimentos são 59,32% mais baratos e os bens e serviços ficam por menos 51,6%.

Veja aqui a lista completa divulgada pelo GoBankingRates: