O ministro do Planeamento disse esta quarta-feira que as obras na Ponte 25 de Abril, em Lisboa, estão “seguras” já que os procedimentos concursais estão em curso, e estima que a empreitada comece “ainda este ano”, como previsto.

Os processos estão em curso e já recebemos propostas de empreiteiros. Já foi, inclusive, feita uma proposta de seleção […] da empresa de acompanhamento da obra", afirmou o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, que está a ser ouvido na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Numa intervenção inicial sobre a Ponte 25 de Abril, no âmbito de um requerimento do CDS-PP, o governante precisou que “foi feita a escolha da empresa que apresentou a proposta melhor” para a monitorização da empreitada, estando agora “em fase de audiência prévia” dos interessados nesse concurso.

Dado o estado do processo, e apesar de ainda não ter sido escolhido a empresa que vai fazer a intervenção na infraestrutura, “mantemos a perspetiva de que a obra se possa iniciar ainda este ano”, ou então “no início de 2019, como previsto no calendário”, referiu Pedro Marques.

A obra está segura e continuará a estar segura”, vincou.

Pedro Marques deu ainda conta de que a ponte, que regista mais de 100 milhões de utilizações anuais, continua a ser monitorizada pelo Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) e pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), o que já acontece “há vários anos”, mesmo antes da divulgação de um relatório no início deste ano que denunciou a existência de fissuras na infraestrutura.

Depois da divulgação desse relatório do IST em janeiro passado, o executivo autorizou em março deste ano a intervenção na ponte, a ser feita pela Infraestruturas de Portugal (IP), notou o responsável.

A Ponte 25 de abril vai ser alvo de trabalhos de manutenção durante dois anos, orçados em 18 milhões de euros, obras essas que vão obrigar a cortes de trânsito em maio e outubro de 2019, segundo a IP.