A Câmara de Loures aprovou esta quarta-feira uma moção a contestar o encerramento das instalações do centro de emprego em Sacavém, previsto para sexta-feira, que afetará cerca de 130 mil pessoas residentes na zona oriental do concelho.

A moção, apresentada pela CDU, foi aprovada por unanimidade, durante uma reunião do executivo liderado pelo comunista Bernardino Soares.

O documento contesta e "repudia" o encerramento do centro de emprego de Sacavém, decisão que irá obrigar os utentes daquele serviço a deslocarem-se, a partir do dia 19 de outubro, às instalações de Loures.

Em declarações à agência Lusa, a vereadora com o pelouro da Coesão Social, Maria Eugénia Coelho (CDU), afirmou que o executivo "foi apanhado de surpresa" com a data de encerramento.

"Foi uma decisão abrupta e inesperada. É mais um revés para uma população que já está numa situação de dificuldade e fragilidade financeira", apontou a autarca.


Maria Eugénia Coelho referiu que a alternativa para as 130 mil pessoas da zona oriental, que necessitarem de recorrer ao centro de emprego, são as instalações localizadas na cidade de Loures.

"São instalações duvidosas que não oferecem as melhores garantias. Já nem vale a pena falar dos gastos que terão para se descolar", sublinhou.


A autarca assegurou ainda que o executivo irá "fazer tudo no plano institucional" para tentar manter o centro de emprego de Sacavém a funcionar.