O Governo assinou acordos com vários bancos para abrir linhas de crédito no valor de 60 milhões de euros (ME) para investimentos no turismo, disse o primeiro-ministro António Costa, adiantando que o apoio ao financiamento do setor vai incluir também um novo fundo de 50 ME a ser gerido pelo Instituto do Turismo.

O sector do turismo tem tido um forte contributo na recuperação da economia portuguesa, que regressou ao crescimento em 2014, com um crescimento de 0,9% do Produto Interno Bruto (PIB), depois de recessão de três anos, com a expansão a acelerar para 1,5% no ano passado.

O Executivo vê o PIB crescer 1,8% em 2016.

"Hoje foi assinado um conjunto de linhas de crédito que disponibilizam 60 ME para investimentos no setor, e o Instituto do Turismo vai passar a dispor de um novo fundo, de 50 ME que permite também financiar o investimento no setor," disse António Costa, na inauguração da Bolsa de Turismo de Lisboa, citado pela Reuters.

O Ministério da Economia explicou, em comunicado, que as novas linhas de crédito são dirigidas às pequenas e médias empresas "através de um modelo de partilha de risco e liquidez entre o sistema bancário e o Turismo de Portugal".

Adiantou que a medida "visa a valorização a oferta turística, com um enfoque na requalificação de empreendimentos turísticos existentes, no desenvolvimento de projetos inovadores de empreendedorismo em áreas como a animação, de restauração e outras com manifesto interesse para o turismo".

Novas formas

"Nós temos uma oferta notável de diversificação de Norte a Sul e nas regiões autónomas, e a promoção do turismo passa também pela valorização da cultura nas suas diferentes dimensões, desde o património à gastronomia, à música, aos sítios naturais, à promoção de novas formas de turismo, como o cicloturismo ou o enoturismo," vincou António Costa.

"É nessa diversificação da nossa oferta que nós podemos, e certamente iremos, fazer deste sector um sector pujante para a economia nacional," acrescentou o primeiro-ministro.

A hotelaria portuguesa bateu novos máximos históricos de dormidas e hóspedes em 2015, liderados pelos estrangeiros, com o sector a gerar quase 2.500 ME em receitas.

Em entrevista à Reuters em Fevereiro, Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo, lembrou que o turismo tem estado a crescer em Portugal de forma sustentada desde 2005.

Adiantou que Portugal vai reforçar a aposta na crucial atração de turistas de economias ricas, como da Alemanha, dos EUA e da Escandinávia, visando prolongar o crescimento deste sector que é estratégico para criar emprego.