A China vai autorizar o investimento privado na banca, caminho-de-ferro, telecomunicações e outros setores reservados outrora às grandes empresas estatais, anunciou o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang.

«Iremos ampliar a vitalidade das empresas sob todas as formas de propriedade», disse Li Keqiang no relatório apresentado na abertura da sessão anual da Assembleia Nacional Popular.

É a primeira reunião plenária da Assembleia desde que a direção do Partido Comunista Chinês reconheceu o papel decisivo do mercado no «aprofundamento global das reformas», em novembro passado.Uma das reformas diz respeito ao setor financeiro.

«Iremos promover firmemente o estabelecimento de pequenos e médios bancos privados» e «orientar o capital privado para investir em instituições financeiras», anunciou Li Keqiang.

O investimento privado será também autorizado em «projetos de empresas do governo central».

Li Keqiang prometeu igualmente «abrir ainda mais a China ao mundo exterior em todas as áreas».

«Abriremos mais setores de serviços ao capital externo» e «nivelar o terreno para as empresas nacionais e estrangeiras competirem em termos justos, de modo a assegurar que a China permanece uma primeira escolha para o investimento externo», afirmou.

No domínio do comércio externo, o primeiro-ministro chinês previu para 2014 um crescimento de «cerca de 7,5%».

A sessão anual da Assembleia Nacional Popular chinesa decorre até dia 13 de março com cerca de 3.000 delegados oriundos de todas as províncias do país.

Trata-se também da primeira reunião plenária da Assembleia desde que Li Keqiang assumiu a chefia do Governo, há um ano, sucedendo a Wen Jiabao, que em março de 2010 completou o segundo e ultimo mandato como primeiro-ministro.