Portugal regressa esta quarta-feira aos mercados com um leilão de dívida de curto prazo para arrecadar entre 1200 e 1500 milhões de euros, isto no dia em que decorre a votação final global do Orçamento do Estado para 2016.

Segundo a informação divulgada pela Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, as duas linhas de Bilhetes do Tesouro vencem em 23 setembro de 2016 (seis meses) e em 17 março de 2017 (um ano).

No último leilão comparável, que ocorreu em janeiro, o IGCP conseguiu superar o montante indicativo global (1.500 milhões) e obteve taxas negativas, o que quer dizer que não precisará de pagar juros.

Durante o primeiro trimestre do ano, a agência liderada por Cristina Casalinho prevê emitir entre 3.000 milhões e 3.750 milhões de euros em Bilhetes de Tesouro, através de seis leilões de dívida de curto prazo, entre os seis e os 12 meses. 

O leilão de hoje será o último leilão de BT previsto para este primeiro trimestre.