«A Lei das Finanças Locais tem para 2016 um adicional de transferência financeira para as Comunidades Intermunicipais (CIM), baseado no resultado alcançado num indicador chamado indicador sintético de desenvolvimento regional. Mede não apenas ao nível municipal mas ao nível da NUT III como é que foi a evolução na competitividade económica, na coesão territorial, e na sustentabilidade ambiental», afirmou António Leitão Amaro.




«Faz por isso uma medição, faz uma comparação, sempre apelando à concertação e articulação da atividade entre os municípios no espaço intermunicipal, e depois, é uma avaliação com consequência ao nível desta transferência financeira adicional», sustentou.




«É um pacote de ações que ajudam todos os atores do universo autárquico, dos vários níveis, à capacitação para fazerem mais e melhor desenvolvimento económico local», frisou.