O ex-presidente do Brasil Lula da Silva terá intercedido junto do primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, para que a empresa Oberdrecht ganhasse vantagem na corrida à privatização de uma empresa portuguesa, avança o jornal Globo.

A informação surge em telegramas diplomáticos trocados entre chefes de postos brasileiros fora do país e o ministério das relações exteriores, entre 2011 e 2014.

Lula da Silva terá falado com passos e mostrado interesse na privatização da Empresa Geral de Fomento (EGF, que pertencia ao grupo Água de Portugal).

Na ocasião do envio do telegrama, a empreiteira brasileira era uma das sete que tinham manifestado oficialmente interesse no negócio. Mas a EGF acabou por ser vendida à SUMA, do grupo Mota-Engil, por 150 milhões de euros.

Entretanto, o ex-presidente do Brasil requereu a suspensão deste inquérito em que é investigado por tráfico de influências. 

Lula da Silva está a ser investigado por alegadamente favorecer uma construtora na obtenção de contratos durante viagens pela américa latina e por países africanos , entre 2011 e 2014, quando já não era presidente.

O Correio da Manhã avança que a justiça brasileira pediu a colaboração de Portugal no processo. A operação Lava Jato envolve empresas a trabalhar em Portugal como é o caso da Camargo Corrêa.