A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, apontou na quinta-feira «a incerteza» que envolve a saúde dos bancos europeus, quando se espera a realização pelo Banco Central Europeu (BCE) de testes de resistência este ano.

«Uma das zonas de incerteza para a Europa reside no estado de saúde dos seus bancos», declarou Lagarde, num artigo divulgado pelo sítio de opinião na Internet Project Syndicate.

A crise financeira e a da dívida sujeitaram o setor bancário europeu a rudes provações, que necessitou de recapitalizações significativas na Irlanda, Grécia, Chipre ou Espanha.

No seu artigo, Lagarde saudou os próximos testes de resistência que o BCE deve fazer este ano, em paralelo a um exame da qualidade dos ativos financeiros na União Europeia.

A dirigente do FMI porém disse que estes testes só poderiam «restabelecer a confiança» na condição de «serem bem feitos».

De forma mais geral, Lagarde recenseou alguns sinais de melhoria económica no mundo, depois de ter anunciado na terça-feira que o FMI ia rever em alta as suas previsões de crescimento mundial, cuja publicação está prevista para 21 de janeiro.

«Há ainda muito trabalho», sublinhou, garantindo que a atual previsão de crescimento da economia mundial (3,6% em 2014) é inferior ao seu potencial, que estimou «em torno dos 4%».