A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou esta quarta-feira que a recuperação económica permanece frágil e lenta e advertiu para os riscos da inflação baixa na Europa e para a «volatilidade financeira» nos mercados emergentes.

Cinco anos após a crise financeira, o crescimento global «continua a ser demasiado lento e fraco» e enfrenta múltiplas ameaças, disse Lagarde, numa conferência na School of Advanced International Studies, em Washington, escreve a Lusa.

«Em 2013, o crescimento global foi de 3%, prevemos uma modesta melhoria em 2014 e 2015, mas ainda abaixo das tendências do passado», afirmou.

Como obstáculos ao crescimento a curto prazo, mencionou o risco de inflação baixa na zona euro, que, caso se prolongue, «pode retardar a procura e a produção».

A diretora-geral do FMI defendeu uma maior flexibilização da política monetária do Banco Central Europeu (BCE), «incluindo o recurso a medidas não convencionais».

Lagarde advertiu também para a «crescente volatilidade nos mercados emergentes associada à retirada dos estímulos monetários nos Estados Unidos» e combinada com «um clima financeiro externo menos favorável».

«A situação na Ucrânia, se não for bem gerida, pode ter um impacto mais vasto» na economia global, avisou ainda a dirigente do FMI.

O discurso de Lagarde foi proferido uma semana antes de o FMI apresentar as suas previsões de crescimento global na próxima terça-feira.