Portugal voltou hoje ao mercado com uma emissão de Obrigações do Tesouro (OT) a 10 anos e pagou um juro mais baixo do que na emissão comparável de julho. É mesmo o custo mais baixo desde 2015.

Segundo a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública - IGCP -, que gere a dívida pública portuguesa, a oferta superou a procura em 2,06 vezes. E a taxa de juro paga foi de 2,785% face aos 3,085% da última emissão comparável em julho.

Este financiamento teve os custos mais baixos desde final de 2015, um ano que as taxas das emissões foram muito baixas. Nesse ano houve quatro emissões de dívida a 10 anos, todas com taxas baixas e a taxa conseguida hoje aproxima-se desses níveis", disse à TVI24 Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa.

"Portugal está a beneficiar dos bons dados económicos que tem divulgado, da revisão otimista da perspetiva do rating da dívida por parte da Moody’s,  uma grande ajuda vem das compras do BCE, mas também beneficia da própria folga financeira no financiamento do Estado que, com operações de troca e emissões tem conseguido alongar a maturidade da dívida portuguesa”, acrescentou Filiep Silva.

Desde o final de agosto, com os furacões a assolarem as Caraíbas e os Estados Unidos e a tensão com a Coreia ao rubro os investidores acabam, por vezes por se refugiarem em ativos com menos risco que as ações. Concretamente, dívida dos países.