O antigo administrador do Banco Espírito Santo (BES) José Maria Ricciardi mostrou-se disponível para ir à Comissão Parlamentar de Inquérito do BES, se for chamado a prestar declarações, considerando que essa é a «obrigação» de qualquer cidadão.

«Se entenderem que o meu testemunho é importante irei com certeza e essa é mais uma das razões pelas quais eu acho que neste momento não me devo pronunciar sobre esse assunto», afirmou.

Ricciardi falava aos jornalistas à margem do Fórum Empresarial do Algarve, que hoje termina, onde falou esta manhã na conferência com o tema «Que financiamento para o crescimento», num encontro que durante três dias juntou políticos e empresários.

Questionado sobre a eventual ligação da família Espírito Santo ao caso dos submarinos, que alegadamente teria recebido 5 milhões de euros de comissões dos submarinos, o banqueiro disse apenas que este «não era o momento oportuno» para se pronunciar.

«Todos esses assuntos, que são assuntos sérios e graves, estão a ser alvo de inquéritos, avaliações e auditorias e acho que não é o momento de me pronunciar sobre elas devido a essa razão», sublinhou.

A terceira edição do Fórum Empresarial do Algarve, organizado pelo LIDE, termina hoje em Vilamoura.