No colapso do Grupo Espírito Santo foram evidentes as divergências entre dois ramos da família. José Maria Ricciardi foi quem de forma mais pública e veemente discordou da governação do primo Ricardo Salgado.
 
A questão da liderança, foi, aliás, levada ao órgão máximo de estratégia do GES, o conselho superior. O único membro que questionou a chefia de Salgado foi José Maria Ricciardi.

Isolado, depois de saber que o seu voto não contava, abandonou a reunião.

NOTA: por lapso, na peça foi utilizada uma fotografia errada. A pessoa identificada como Fernando Manuel Espírito Santo não é o autor das declarações que lhe são atribuídas. As declarações são antes de Fernando Moniz Galvão Espírito Santo.