«O sacrifício dos clientes, dos colaboradores e do meu nome que hoje em dia é tido como um produto tóxico. Isso para mim é muito duro»






o primeiro inquirido nesta comissão a fazer um mea culpa, dirigindo as suas primeiras palavras para os clientes«De quem é a culpa?»

«Muita deve ser imputada a nós»


«O que faltou, a meu ver, foi tempo, porque o programa que era idealizado pelo Dr. Ricardo e a sua equipa e tendo também o apoio da equipa do BESI, podia ser um programa que poderia ser realizado, mas não tivemos tempo»

«Não vejo o Banco de Portugal de repente a querer acabar com uma marca como esta. Já em 1975, não autorizou»




«Nunca teria tomado esta decisão, mas pronto, manda quem pode e obedece quem deve»


«Nunca encomendámos nada ao Governo»







«Eu não vou fazer aqui de árbitro. Respeito os dois (...). Sobre a verdade, caberá à comissão parlamentar de inquérito e a outras autoridades ver isso. Sempre acreditei nos dois e espero não ter razão para desilusões nesse campo. Isso para mim seria muito mau»

Leia mais:

«Presumo que o contabilista não decidiu por conta própria»

BESA: Sobrinho queria falar «apenas» com Salgado

Os principais tópicos da intervenção de José Manuel Espírito Santo Silva, ao minuto