O Sindicato dos Trabalhadores do Grupo Portugal Telecom anunciou esta segunda-feira que os responsáveis da Altice se «comprometeram» com o ministro da Economia a deslocarem-se a Portugal em março e minimizou cenários de despedimento coletivo no grupo.

«Há já neste momento um compromisso entre o ministro [da Economia, Pires de Lima] e a Altice para se deslocarem a Portugal em março», afirmou o presidente do STPT, Jorge Félix, em declarações aos jornalistas à saída de uma reunião esta manhã no Ministério da Economia, em Lisboa.

O objetivo da deslocação dos responsáveis da empresa francesa, explicou Jorge Félix, é o de «conhecerem no local situações relacionadas com a PT Portugal, nomeadamente o centro de formação em Aveiro e a PT Inovação, e conhecerem a capacidade tecnológica e o desenvolvimento da PT em termos tecnológicos».

Mas mais importante, frisou o sindicalista, é «a possibilidade» de o ministro vir a ter conhecimento dos compromissos da Altice de criação de postos de trabalho (call center) no norte do país.

«Este acompanhamento e esta influência do Governo agrada-nos, parece-nos que este é o caminho», afirmou o presidente do STPT.

O objetivo da reunião do sindicato no Ministério da Economia era o de obter informações sobre as repercussões da venda da PT Portugal ao grupo francês Altice, tendo em conta que o ministro Pires de Lima teve a 11 de fevereiro um encontro com os representantes franceses, no qual terão sido apresentadas as intenções de investimento, inovação, desenvolvimento tecnológico e responsabilidade social.

«O que nos transmitiu o ministro foi a vontade da Altice de desenvolvimento e crescimento da PT, de investir e de criar postos de trabalho», contou Jorge Félix.

No que diz respeito à responsabilidade social, que é a maior preocupação dos trabalhadores do Grupo PT, o sindicalista terá saído mais tranquilo da reunião, mas ainda sem certezas sobre a possibilidade de despedimentos.
«O ministro ficou com a ideia de que o que a Altice quer fazer não passará por medidas agressivas de redução de efetivos», afirmou, ressalvando, no entanto, que «é natural alguma redução» nas chefias e administração da PT.

«O ministro quase garantiu que a Altice não tem ideias de despedimento coletivo», disse, acrescentando que «é preciso esperar para ver».

Jorge Félix mostrou ainda a vontade do sindicato de «continuar o diálogo» com a Altice e defendeu que, chegando a um acordo sindical de princípios, seria «interessante» que esse compromisso viesse a ser assumido na presença do Governo.

«O ministro achou esta proposta interessante», disse o sindicalista, classificando como «significativa» essa presença do Governo no processo.

A 22 de janeiro, os acionistas da PT SGPS deram luz verde à venda da PT Portugal aos franceses da Altice, com 97,81% de votos favoráveis, num negócio avaliado em 7,4 mil milhões de euros.