O ex-ministro das Finanças, João Salgueiro, disse esta segunda-feira que Portugal tem vivido numa «inconstitucionalidade latente» porque os orçamentos do Estado (OE) são aprovados «sem uma discussão prévia suficientemente esclarecedora».

O também ex-presidente da Associação Portuguesa de Bancos, que hoje participa num encontro em Lisboa, sobre o Orçamento do Estado para 2014 (OE2014), lamentou a falta de estratégia dos orçamentos e considerou que «é difícil discutir um Orçamento do Estado sem ter uma visão de médio prazo do futuro e do passado».

João Salgueiro criticou a falta de reflexão sobre a atual crise e lembrou que esta é a terceira vez que Portugal renegoceia apoios do Fundo Monetário Internacional (FMI) no período de uma geração.

«Há qualquer coisa no nosso comportamento que nos leva sucessivamente a entrar no limiar do incumprimento e isso devia-nos levar a pensar», sugeriu.

O antigo governante destacou que os países que fizeram o trabalho de casa, como a Alemanha, não estão em crise, acrescentando que é necessário alterar o modelo económico.

«Alguma coisa mudaria se víssemos manifestações na rua a protestar contra as causas e não contra as consequências» das políticas de austeridade, disse, enfatizando que Portugal deve encorajar o investimento produtivo.