O fundador da Amazon, Jeff Bezos, foi eleito o pior patrão do mundo pela Confederação Internacional de Sindicatos (sigla em inglês ITUC), em Berlim, na Alemanha.

«O poder empresarial está fora de controlo. Decidimos que iríamos começar a expôr alguns dos elementos do fenómeno do mau patrão», adiantou Sharan Burrow, secretária geral da ITUC.

A responsável deixou um exemplo: «A Amazon que opera na Alemanha trata os seus funcionários como se fossem robôs, aliás, a empresa já disse que, dentro de alguns anos, os funcionários vão ser trocados por robôs».

A empresa obriga os trabalhadores do armazém a caminharem 24 quilómetros por dia. As más condições de trabalho na unidade alemã levaram a que as ambulâncias estejam sempre de prevenção do lado de fora do armazém, segundo a responsável da ITUC. «Os funcionários são repreendidos apenas por falarem uns com os outros».

O «prémio» para o pior patrão do ano inclui o presidente executivo das lojas Wal-Mart, Douglas McMillon, o presidente executivo do Morgan Chase, Jamie Dimon, o presidente executivo do grupo Goldman Sachs, Loyd Blankfein, entre outros.