José Maria Ricciardi, membro do conselho superior do Grupo Espírito Santo, confirmou em comunicado que não deu o voto de confiança pedido pelo presidente do BES, Ricardo Salgado, para a sua continuação à frente do grupo. Ricciardi confirma assim que está em «rota de colisão» com o presidente do BES.

O «Jornal de Negócios» noticiou esta sexta-feira que «'Golpe de Estado' no BES fracassa», adiantando que o presidente executivo do Banco Espírito Santo de Investimento (BESI), José Maria Ricciardi tinha avançado com «iniciativa para precipitar a saída de Ricardo Salgado».

Em comunicado, Ricciardi esclareceu que «não corresponde à verdade a tentativa de golpe de estado gorada atribuída à sua pessoa» e confirmou que «na sua qualidade de acionista do grupo, limitou-se a não dar ao Dr. Ricardo Salgado um voto de confiança por ele solicitado para continuar a liderar os interesses do grupo», por razões que «se dispensa de revelar».

José Maria Ricciardi sublinhou ainda que «sobre os acionistas do grupo não impende o dever de lealdade institucional».

As ações do BES seguiam, às 15:34, a cair 1,56% para 1,01 euros.