O Produto Interno Bruto do conjunto dos países que compõem a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) deverá ter crescido 0,5% no segundo trimestre deste ano, face ao primeiro, revelam estimativas divulgadas pela própria organização.

A confirmar-se esta taxa de crescimento, trata-se de uma aceleração face aos 0,3% registados nos primeiros três meses do ano.

Em comunicado, a OCDE diz que esta expansão foi estimulada pelo desempenho da maioria das suas sete principais economias.

Assim, no Reino Unido e nos Estados Unidos o crescimento do produto acelerou para, respetivamente, 0,6% e 0,4%, face aos 0,3% registados no trimestre anterior.

Na Alemanha o PIB subiu 0,7%, depois de ter ficado estável até março. Em França cresceu 0,5%, depois de uma retração de 0,2% no primeiro trimestre.

Menos positivo, o PIB do Japão cresceu 0,6%, abrandando face aos 0,9% do trimestre anterior e a economia italiana sofreu mesmo a oitava queda trimestral consecutiva. Ainda assim, a recessão está a abrandar em terras transalpinas, tendo-se ficado pelos -0,2%, contra -0,6% entre janeiro e março de 2013, estima a OCDE.

O PIB do conjunto dos países da União Europeia voltou ao verde no segundo trimestre, registando um crescimento de 0,3%, após uma contração de 0,1% no trimestre anterior.

Na zona euro a recuperação é ainda mais visível: o crescimento de 0,3% terá sido o primeiro desde o terceiro trimestre de 2011 e segue-se a um recuo da mesma dimensão nos primeiros três meses do ano.

Na comparação homóloga, o PIB da OCDE terá crescido 0,9%, acelerando três décimas face ao crescimento de 0,6% registado no primeiro trimestre.

Nesta comparação com igual período em 2012, entre as sete maiores economias da OCDE, o Reino Unido e os Estados Unidos foram os países que registaram o melhor desempenho com um crescimento do produto na ordem dos 1,4%, tendo a Itália registado a taxa de crescimento mais débil, com uma contração de 2%.