O primeiro-ministro declarou-se esta segunda-feira «muito satisfeito» com a reação «bastante positiva» dos mercados à decisão do Presidente da República, de manter em funções o atual Governo. Reação não só da bolsa mas também dos juros da dívida pública.

«Fico muito satisfeito de ver a forma como os mercados têm reagido a esta comunicação do senhor Presidente da República, que é, até esta data, até esta hora, bastante positiva», afirmou Pedro Passos Coelho, que falava no final de uma visita à unidade de cuidados continuados da Santa Casa de Misericórdia de Vila de Rei, no distrito de Castelo Branco.

De acordo com o primeiro-ministro, quando falou ao país no domingo à noite, Cavaco Silva «explicou que tinha recebido do Governo condições de coesão reforçadas para que o Governo cumpra a sua legislatura».

«E é isso que o Governo vai fazer. O Governo apresentará agora uma moção de confiança ao parlamento, mas isso tudo os senhores já sabem e os portugueses também, porque eu tive ocasião de falar com o senhor e ouvi também a sua declaração», acrescentou.

De acordo com Passos Coelho, o Governo encontra-se «na plenitude das suas funções» e está «a fazer aquilo que é necessário», ou seja, fechar o Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) até junho de 2014 e preparar o pleno acesso de Portugal ao financiamento nos mercados internacionais.

«Temos vindo a realizar tudo o que é necessário para vencer esta emergência económica e financeira», sustentou.