O número de desempregados inscritos nos centros de emprego em dezembro baixou 2,8%, em termos homólogos, para um total de 690.535 pessoas, recuando 0,3% face a novembro.

Desemprego em Portugal deve diminuir em 2014

A informação mensal publicada hoje pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) destaca que no final de dezembro havia menos 20.117 desempregados inscritos nos centros de emprego do Continente e das Regiões Autónomas do que um ano antes, escreve a Lusa.

Face ao mês anterior, o IEFP contabilizou menos 1.484 desempregados inscritos, o que representa uma queda de 0,2%.

Os desempregados registados em dezembro correspondem a 75,3% de total de 917.021 pessoas que se inscreveram para pedir emprego.

Manteve-se, no entanto, a tendência anual de subida do desemprego no segmento jovem de 1,7%, em oposição ao grupo dos adultos, nos quais se registou uma quebra de 3,5%.

Por género, o desemprego masculino diminuiu 4,2% e o feminino baixou 1,5% no espaço de um ano.

Os desempregados à procura de um primeiro emprego sofreram, por sua vez, também um crescimento anual de 21%, enquanto os que pretendiam um novo emprego baixaram 5% face ao ano passado.

Por tempo de inscrição, os desempregados inscritos há menos de um ano diminuíram 12% face a dezembro de 2012, ao contrário dos desempregados de longa duração (com o tempo de inscrição igual ou superior a um ano) onde é observado um acréscimo de 10,3%.

A nível regional, e comparativamente ao mês de dezembro de 2012, segundo o IEFP, observa-se uma tendência decrescente do desemprego na generalidade das regiões, com a exceção dos Açores, onde subiu 15,4%.

Entre as descidas ocorridas, destaque para a ocorrida no Algarve (9%) e no Alentejo (5%).

O «fim de trabalho não permanente» continua a ser o principal motivo para a inscrição nos centros de emprego, representando cerca de 45% do total de desemprego em dezembro.

O motivo «despedido» é a segunda causa para a inscrição nos centros de emprego, com um peso de 11,5%, de acordo com a base de dados do instituto

O grupo dos «ex-estudantes» ocupa a terceira posição nos motivos para a inscrição nos centros de emprego, totalizando os 4.494 inscritos (mais 59,2% do que um ano antes e menos 25,3% do que em novembro).

Quanto ao nível de escolaridade, o desemprego caiu em termos homólogos entre os inscritos que completaram entre o primeiro ciclo do ensino básico e o secundário, enquanto os desempregados que possuíam o ensino superior registaram, por sua vez, uma subida de 5,3%, a par dos indivíduos sem nenhum nível de instrução (que registaram uma subida de 5,2%).