A Chanceler alemã, Angela Merkel, disse esta sexta-feira que nenhum país tem de abandonar a zona euro, apesar da crise financeira que abalou o bloco monetário de 17 nações.

Questionada pela agência de notícias DPA se algum dos países do sul da Europa atingidos pela crise terá de abandonar o euro, Angela Merkel respondeu: «Não, não estou a ver isso acontecer».

«Todos nós temos de nos juntar para nos tornarmos melhor, e para isso precisamos de unidade europeia», acrescentou a chanceler alemã, defensora de há longa data de disciplina fiscal, de reformas estruturais e de competitividade reforçada.

Merkel vai enfrentar eleições a 22 de setembro na maior economia da Europa, reconhecendo que a disciplina orçamental obrigou a cortes dolorosos em países como Portugal, Grécia e Espanha.

Mais recentemente, concentrou-se na necessidade de ajudar as vítimas da crise, com quase seis milhões de desempregados com menos de 25 anos, dizendo repetidamente que «a Alemanha só vai fazer bem se a Europa também o fizer».

A Chanceler alemã defendeu que «Portugal, Grécia e outros países já não conseguiam financiamento por causa das suas dívidas altas» e concordou em «ajudar estes países sob a condição de reduzirem o défice».

«Afinal, foi isso [o défice] que provocou as suas crises», acrescentou.

Merkel disse ainda que, «assim que os países afetados pela crise retomem o caminho da solidez financeira, vai ser também necessário melhorar a competitividade e promover um novo - agora sustentável - crescimento e o emprego».