O crédito malparado voltou a cair em junho, recuando 170 milhões de euros face a maio, revelam dados do Banco de Portugal, divulgados esta terça-feira. No total, os bancos têm agora dificuldades em recuperar 16.834 milhões de euros.

Deste total, 11.670 milhões de euros dizem respeito a crédito a empresas. Mesmo assim, é menos 1,31% do que em maio. As empresas têm assim dificuldades em pagar 11,18% do total de crédito que lhes foi concedido.

Entre os particulares, o malparado desceu 0,29% no mês de junho, para 5.164 milhões de euros. A cobrança duvidosa afeta 3,94% do total de crédito às famílias.

No que toca ao malparado entre as famílias, a maior fatia, de 2.320 milhões de euros, diz respeito a crédito à habitação. São menos dois milhões de euros do que em maio. O malparado desceu também ligeiramente no crédito ao consumo, para 1.512 milhões de euros, e também nos empréstimos para outros fins, onde se situou nos 1.331 milhões de euros.

Os dados são menos animadores no que toca aos empresários em nome individual, onde 32,5% dos mesmos têm créditos em atraso. São 116 mil casos de incumprimento.