As tabelas de retenção na fonte do IRS entram esta quinta-feira em vigor e são iguais às do ano passado.

Ainda assim, na função pública, o valor líquido dos salários vai alterar-se e quem ganha, por exemplo, 1.500 euros brutos irá receber menos 93,90 euros entre dezembro e janeiro. Esta quebra de 8,6% não surge por causa do imposto, mas surge sobretudo devido ao efeito dos novos cortes salariais e à subida da ADSE.

Mas um conjunto de simulações efetuadas pelo «Jornal de Notícias/Dinheiro Vivo» pela PwC mostra que um funcionário público que ganha 700 euros por mês pagou em dezembro do ano passado 58,5 euros de IRS. Já em janeiro, a parcela do IRS vai ser de 56,33 euros. O imposto é menor, mas o salário líquido também ele desceu, de 599,35 euros para 574,67 euros.

Escreve o «Jornal de Notícias» que as tabelas de IRS não deixam margem para dúvidas: este ano, a grande maioria dos portugueses vai continuar a sentir o «enorme aumento de impostos».

No setor privado nada muda, mas os funcionários públicos vão sentir diferença: a maioria até vai pagar menos IRS, mas isso apenas acontece por causa do corte salarial, ou seja, porque o valor que serve de base ao imposto é agora mais pequeno.