A discriminação e exclusão de lésbicas, gays, bissexuais e transgéneros pode ter custos económicos de milhares de milhões de euros, segundo os resultados preliminares de um estudo promovido pelo Banco Mundial citado pela Lusa.

Os resultados da pesquisa, que escolheu a Índia como caso de estudo, foram debatidos por um painel de especialistas, organizado pelo Banco Mundial esta semana, numa altura em que vários países estão a reforçar legislação sobre orientação sexual que reprime as minorias sexuais.

Na Índia, onde o comportamento homossexual é criminalizado e não existe legislação que proteja os direitos das minorias sexuais, os custos económicos da homofobia podem chegar aos 22 mil milhões de euros, segundo as estimativas preliminares, apresentadas pela economista Lee Badgett.

A discriminação laboral relacionada com a orientação sexual de trabalhadores e trabalhadoras resulta em perda de produtividade e de capacidade de desempenho, revela a pesquisa, que refere ainda que a exclusão das minorias sexuais tem custos significativos para os serviços sociais e de saúde.

O objetivo do Banco Mundial com este estudo é «medir o custo de excluir as minorias sexuais», tendo os especialistas salientado a necessidade de coligir mais dados sobre o impacto no desenvolvimento da discriminação com base na orientação sexual.