O Secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino, adianta que a revisão dos suplementos na função pública pode implicar mais cortes no Estado. Em entrevista ao Público, o governante diz compreender o desânimo dos funcionários públicos, mas acredita que a greve geral desta sexta-feira, convocada pela CGTP e UGT, não vá além dos 20% de adesão.

Hélder Rosalino garantiu ainda que o Governo não tem um plano B caso o Tribunal Constitucional chumbe os cortes nos salários e nas pensões, deixando o alerta: qualquer outra solução «implicaria reduções salariais».