Atualizada às 21h54

O grupo mexicano Angeles vai lançar uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Espírito Santo Saúde.

A cotação das ações da empresa do Grupo Espírito Santo já foi suspensa pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

A informação foi confirmada à TVI, com a indicação de que será uma oferta amigável.

A empresa está cotada em bolsa e tem como maior acionista a Rioforte, holding do GES para a área não financeira.

A Espírito Santo Saúde detém, entre outros, os hospitais da Luz, em Lisboa, Beatriz Angelo, de Loures, e da Arrábida, no Porto.

A empresa tem uma rede de 18 unidades, onde se incluem oito hospitais privados, um hospital gerido para o SNS em regime de parceira público-privada, sete clínicas privadas a operar em regime de ambulatório e duas residências sénior.

No seu conjunto, o grupo gere 1.200 camas e tem 8.900 colaboradores.

Angeles quer manter estratégia da administração da empresa portuguesa

O Grupo Angeles quer «manter a linha estratégica definida» pelo Conselho de Administração da empresa portuguesa e a confiança nos seus elementos.

«É intenção da oferente dar continuidade à atividade empresarial da sociedade visada e das subsidiárias, mantendo a linha estratégica definida pelo Conselho de Administração da sociedade visada e a confiança no mesmo e na respetiva equipa de direção», lê-se no anúncio preliminar da OPA enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Ações em máximo histórico

Os títulos da Espírito Santo Saúde seguiam esta terça-feira a negociar no valor mais alto de sempre, nos 3,943 euros, antes de serem suspensos pelo supervisor, que aguardava informações para divulgação ao mercado.

A ESS entrou em bolsa a 12 de fevereiro, com um preço de 3,20 euros por ação, tendo valorizado 23% desde então para os 3,943 euros, que lhe conferem um valor de mercado de 376,7 milhões de euros.

Antes das 16:00, isto é, na reta final para o final da sessão desta terça-feira e do mercado acionista português, a CMVM decidiu suspender a negociação dos títulos da ESS, revelando que aguardava a «divulgação de informação relevante sobre o emitente».