O rei de Espanha Felipe VI destacou esta segunda-feira as «afinidades e ações comuns» que unem portugueses e espanhóis, nomeadamente a «superação da crise económica» e o «desafio» do combate ao desemprego.

«As sociedades espanhola e portuguesa têm vindo a acusar nos últimos anos o impacto de uma dura crise económica que tem provocado um inaceitável aumento do desemprego que afetou milhões de cidadãos, muitos deles jovens», declarou o monarca espanhol numa intervenção no Palácio de Queluz, onde o Presidente da República de Portugal, Cavaco Silva, ofereceu um almoço em honra de Felipe VI e Letizia.

«A plena superação desta crise e, em especial, o desafio do desemprego, representa um dos principais desafios coletivos dos nossos dois países que tanto os cidadãos portugueses como os espanhóis estão a enfrentar com coragem, esforço e sacrifício», reforçou o recém-proclamado rei de Espanha, que proferiu o seu discurso intercalando o espanhol com passagens em língua portuguesa.

Para o monarca, «é tempo de vencer definitivamente» os «obstáculos» provocados pela crise nas sociedades portuguesa e espanhola: «Não tenho dúvida de que o conseguiremos», vincou.

Reconhecendo a importância das «afinidades» e «ações comuns» que existem entre os dois países da Península Ibérica, Felipe VI destacou o papel do projeto europeu para a relação entre Portugal e Espanha.

«A Europa foi um espaço de prosperidade e desenvolvimento em que os nossos dois países começaram a tornar realidade uma maior integração em todos os campos: social, económico, político e de inclusão cultural», disse.

A União Europeia, de acordo com o rei espanhol, tem sido para Espanha e Portugal «um imperativo geopolítico e económico inalienável que está na base» dos «respetivos projetos nacionais».

Antes do almoço no Palácio de Queluz, os reis de Espanha, acompanhados de Cavaco Silva e Maria Cavaco Silva, tiraram uma fotografia conjunta e visitaram os jardins do palácio, onde se exibiram os cavalos da Escola Portuguesa de Arte Equestre.

Posteriormente, os convidados presentes no almoço de honra apresentaram cumprimentos ao casal real espanhol e ao chefe de Estado português e à sua mulher.

No almoço estiveram presentes cerca de 120 pessoas, incluindo convidados das mais variadas áreas.

Entre os presentes estavam, por exemplo, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, o antigo Presidente da República Jorge Sampaio e os antigos líderes do PSD Francisco Pinto Balsemão e Pedro Santana Lopes e a cantora Carminho.

Também presentes em Queluz estiveram a artista Joana Vasconcelos, a presidente da Fundação Champalimaud, Leonor Beleza, a jornalista Pilar del Rio, o Cardeal-Patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, e os presidentes das Câmaras de Lisboa e Sintra, António Costa e Basílio Horta, respetivamente.

A visita oficial prossegue de tarde, com os reis de Espanha a serem recebidos no parlamento pela presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, e pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, em São Bento, como reporta a Lusa.