As ex-Scut registaram um crescimento de tráfego no último trimestre de 2013 com a Via do Infante a liderar a inversão nas quebras dos últimos anos, somando mais 9,3% de movimento diário face a igual período de 2012.

De acordo com cálculos feitos hoje pela Lusa com base no mais recente relatório do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), relativo ao movimento na Rede Nacional de Autoestradas (quarto trimestre de 2013), a antiga concessão Scut (Sem Custos para o Utilizador) do Algarve (A22) somou entre outubro e dezembro, em termos médios, mais 500 viaturas por dia.

Também conhecida como Via do Infante, aquela autoestrada registou assim um Tráfego Médio Diário (TMD) de 6.015 viaturas - na média dos três meses -, o que representa um aumento de 9,3% face ao último trimestre de 2012.

Trata-se de uma das quatro antigas Scut que receberam portagens a 08 de dezembro de 2011. No caso concreto do Algarve, esta via chegou a liderar as quebras nacionais, com o movimento a cair para praticamente metade em trimestres e anos anteriores.

As restantes três vias, segundo dados do mesmo relatório do IMT, também inverteram as quebras consecutivas no movimento diário, registadas nos vários dados trimestrais.

A concessão Interior Norte (A24) cresceu 2,5% no mesmo período em análise (para um TMD de 3.781 viaturas), e as concessões Beira Interior (A23) e Beiras Litoral e Alta (A25) aumentaram o tráfego diário em pouco mais de 1%, respetivamente para 5.243 e 7.900 viaturas.

No caso das três ex-Scut do norte, que passaram a ser portajadas a 15 de outubro de 2010, apenas a concessão Costa da Prata não cresceu, mantendo antes um tráfego praticamente idêntico ao do último trimestre de 2012.

A concessão do Grande Porto registou neste período um crescimento de 5%, recebendo mais quase mil viaturas por dia. O TMD fixou-se em 20.116 viaturas entre outubro e dezembro de 2013.

No caso da concessão Norte Litoral, que envolve a autoestrada A28 entre Viana do Castelo e Porto, o crescimento foi de 1,5%, para 18.887 viaturas diárias.

Ainda de acordo com este relatório do IMT, nas 16 concessões analisadas, incluindo nomeadamente autoestradas exploradas diretamente pela empresa Estradas de Portugal ou pela Brisa, a média ponderada do último trimestre de 2013 aponta para um TMD, por autoestrada, de 12.852 viaturas. Trata-se de um valor praticamente idêntico ao mesmo período do ano anterior.