A dívida pública portuguesa diminuiu para 128,7% do PIB no terceiro trimestre de 2013, face aos 131,3% verificados nos três meses anteriores, mas continuou a aumentar em termos homólogos, subindo 8,2 pontos percentuais, revela o Eurostat.

Segundo os dados do gabinete de estatísticas da União Europeia para o terceiro trimestre de 2013, os rácios mais elevados de dívida pública em relação ao PIB verificaram-se na Grécia (171,8%), em Itália (132,9%), em Portugal (128,7%) e na Irlanda (124,8%), e os mais reduzidos na Estónia (10%), na Bulgária (17,3%) e no Luxemburgo (27,7%).

Na comparação em cadeia, ou seja, face ao segundo trimestre, a dívida pública aumentou em dez Estados-membros, baixou em dezassete e manteve-se inalterada na Eslovénia, cabendo as maiores descidas a Portugal (-2,6 pontos percentuais), na Finlândia (-2,5 pontos percentuais), na Bélgica (-1,5 pontos percentuais), na Alemanha (-1,4 pontos percentuais) e na Hungria (-1,3 pontos percentuais).

Em termos trimestrais, o rácio da dívida pública em percentagem do PIB ficou nos 92,7% na zona euro, contra 93,4% no segundo trimestre, representando a primeira redução em termos absolutos desde o último trimestre de 2007.

Na União Europeia, o rácio aumentou, passando de 86,7% para 86,8%, principalmente devido aos efeitos das taxas de câmbio.

Já em termos homólogos, o rácio da dívida pública cresceu tanto na zona euro (de 90% para 92,7%) como na União Europeia (de 84,9% para 86,8%).

Os maiores aumentos entre julho e setembro de 2013 foram constatados em Chipre (11 pontos percentuais), no Luxemburgo (4,6 pontos percentuais) e na Grécia (3 pontos percentuais).

Já em relação ao terceiro trimestre de 2012, o rácio de dívida pública face ao PIB aumentou em vinte e três Estados-membros e diminuiu em cinco, tendo Portugal verificado o quinto maior aumento, com 8,2 pontos percentuais.

As maiores subidas homólogas foram observadas em Chipre (25,3 pontos percentuais), na Grécia (19,9 pontos percentuais), em Espanha (14,3 pontos percentuais) e na Eslovénia (14,1 pontos percentuais).

A Alemanha (-2,8 pontos percentuais), a Letónia (-2 pontos percentuais), a Bulgária (-1,4 pontos percentuais), a Dinamarca (-0,9 pontos percentuais) e a Lituânia (-0,8 pontos percentuais) registaram as descidas mais fortes.

Confira os dados do Eurostat