O Tribunal Arbitral do Conselho Económico e Social (CES) decretou serviços mínimos para a greve dos trabalhadores do metro de Lisboa convocada para a próxima terça-feira, disse esta quinta-feira à agência Lusa fonte do Metropolitano.

A empresa recorreu para o Tribunal Arbitral do CES, que decidiu que devem ficar «assegurados 25% das composições em todas as linhas», segundo informou fonte do Metropolitano de Lisboa.

A greve de 15 de outubro, por um período de 24 horas, foi convocada pela Fectrans (Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações) e outros sindicatos.

Questionada pela agência Lusa, Anabela Carvalheira, da Fectrans, remeteu «para o plenário de trabalhadores na sexta-feira uma posição dos trabalhadores do metro de Lisboa».

O início do plenário está previsto para as 13:30, no Largo do Camões, no Chiado, em Lisboa, integrado numa vigília promovida pela Fectrans, das 09:00 às 18:00.

A próxima paralisação sucede à greve de um dia realizada na terça-feira, sem serviços mínimos.