A taxa de juro dos contratos de crédito à habitação registou um aumento «ténue» de 0,001 pontos percentuais para 1,420%, em janeiro face a dezembro, mantendo-se a prestação média vencida nos 258 euros, divulgou esta segunda-feira o INE.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), nos contratos para aquisição de habitação a taxa de juro fixou-se em 1,435%, o que representa um aumento de 0,001 pontos percentuais (p.p.) face a dezembro.

Já nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro implícita foi de 2,984% em janeiro, menos 0,092 pontos percentuais do que no mês anterior.

Nos contratos para aquisição de habitação celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro implícita foi, por sua vez, de 2,957% (3,043% no mês anterior).

Em janeiro, o valor médio da prestação vencida para a totalidade dos contratos em vigor foi, pelo 8.º mês consecutivo, de 258 euros.

Quanto ao valor médio da prestação para o conjunto dos contratos de crédito à habitação celebrados no último trimestre, fixou-se nos 325 euros, mais quatro euros do que em dezembro.

Nos contratos com destino aquisição de habitação, o valor médio da prestação vencida foi de 266 euros, enquanto nos contratos deste tipo celebrados nos últimos três meses este valor situou-se nos 337 euros (mais cinco euros do que em dezembro).

O valor do capital médio em dívida para a totalidade dos contratos de crédito à habitação em janeiro foi de 57.760 euros (contra 57.819 euros no mês anterior).

Já nos contratos com destino de financiamento aquisição de habitação, o valor do capital médio em dívida foi de 60.716 euros em janeiro, menos 64 euros do que no mês anterior, e de 81.600 euros (79.865 euros em dezembro) nos contratos com este destino de financiamento celebrados nos últimos três meses.