A 11ª avaliação da troika ao programa de ajustamento de Portugal cumpre os requisitos para ser aprovada e permitir o desembolso da próxima tranche de 2,5 mil milhões de euros, refere unma carta do presidente do Eurogrupo.

A carta do presidente do Eurogrupo e ministro das Finanças da Holanda, Jeroen Dijsselbloem, ao parlamento holandês, que refere a aprovação, está a ser citada pela agência Bloomberg.

Dos 2,5 mil milhões da tranche que será desembolsada depois da 11.ª avaliação, 1,6 mil milhões são dos dois fundos europeus, sendo os restantes 0,9 mil milhões de euros do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Na reunião do Eurogrupo de 10 de março, a ministra das Finanças de Portugal, Maria Luís Albuquerque, indicou que a discussão sobre Portugal tinha sido um «ponto bastante rápido» da agenda, com a confirmação de que a 11.ª revisão, concluída a 28 de fevereiro, «correu bem».

Na altura, Maria Luís Albuquerque referiu ainda que quanto aos «procedimentos remanescentes» para a conclusão do exame regular, estes seriam tratados ao nível meramente técnico, pelo que o 11.º exame não voltará a ser discutido em sede do Eurogrupo.