O ministro do Emprego, Pedro Mota Soares, anunciou no Parlamento que o Programa Garantia Jovem abrangeu 91 mil pessoas até maio, em medidas enquadradas pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

«O Governo português, que já vinha considerando o combate ao desemprego jovem como uma prioridade estratégica no âmbito das políticas de emprego, consolida agora essa ação através do Programa Garantia Jovem e, em maio deste ano, contava já com mais de 91 mil abrangidos», afirmou o ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, numa comissão parlamentar onde está esta terça-feira a ser ouvido pelos deputados.

O programa Garantia Jovem visa o apoio ao emprego nos jovens, com apoios à contratação, formação profissional ou estágio. O programa comunitário destina-se a jovens abaixo dos 25 anos mas, em Portugal, essa fasquia foi elevada para 30 anos.

No entanto, em junho deste ano, numa declaração em Genebra, o ministro apontou um número de abrangidos diferente: «Neste momento temos 80.000 jovens inseridos em respostas da Garantia Jovem [e] é importante para nós poderemos contar com a colaboração da Organização Internacional do Trabalho», explicou o ministro, reconhecendo que as necessidades do mercado de trabalho nem sempre têm resposta na formação.

O governante anunciou ainda que, desde outubro de 2013, altura em que foi criado o Fundo de Compensação do Trabalho, «foram já celebrados 544 mil novos contratos resultantes da adesão de cerca de 75 mil entidades empregadores».

Para Pedro Mota Soares, isto «espelha bem a dinâmica que se vai sentindo no mercado e a importância ao nível da proteção social que este mecanismo pode traduzir», como cita a Lusa.