Nem todos os casamentos duram para sempre, então, por que razão ficar preso a uma casa própria para o resto da vida? Arrendar casa pode ser a solução e este negócio uma história de amor. HomeLovers e Arrendar Com Paixão abriram uma nova janela no mercado imobiliário português, no sítio onde se expõem todas as emoções: o Facebook.

Arrendar em vez de comprar ? Leia aqui

A HomeLovers tem, em menos de dois anos, 60 mil seguidores no Facebook. Magda e Miguel Tilli são os fundadores deste projeto que começou do nada, mas com a teimosia e persistência deste casal. «Aceitámos o fracasso como um desafio», conta Magda Tilli. «A HomeLovers nasceu em Novembro de 2011, depois de uma breve e menos feliz experiência à frente do franchising de uma agência imobiliária tradicional». No fundo, nada tínhamos a perder, arriscámos e acreditámos num modelo de negócio inovador, utilizando exclusivamente o Facebook para divulgar as nossas casas e trabalho, com uma grande probabilidade de poder não correr bem, mas que, no fim, acabou por ser reconhecido».

Uma aposta ganha para quem começou num ano de recessão, mas, como diz Magda, «concordamos que a crise talvez tenha uma quota-parte de responsabilidade no empurrão que nos faltava e que nos ajudou a enchermo-nos de coragem para verdadeiramente arriscar. Neste momento, temos uma equipa de dez pessoas».

Foi num abrir e fechar de olhos: a imobiliária que lhe propõe «blind dates» pode orgulhar-se de ter, um ano depois, quatro projetos. «Hoje Arrenda-se Com Paixão em Lisboa, Algarve, Costa de Prata e Linha (Oeiras, Cascais e Sintra), estando já outras zonas em adiantadas negociações», revela Yvette Ambrósio, que assim soma aos mais de 50 mil fãs da página de Lisboa, cerca de 25 mil espalhados pelas restantes, ou seja, «as nossas quatro plataformas geram uma interação de conteúdos com mais de um milhão de pessoas por semana (dados estatísticos do Facebook). Superando todas as expectativas, o mercado foi surpreendente na resposta à nossa forma diferente e genuína de promoção e cerca de cinco meses após a consolidação do conceito começámos a receber solicitações para estender a outras zonas do país sob a forma de franchising. Acabámos por criar um novo modelo de franchising dentro de rede social, algo perfeitamente inovador a nível mundial».

Yvette Ambrósio e João Abelha abriram o coração do seu negócio a outros sem nunca esquecer o que é para eles essencial: «Sendo que o nosso modelo de sucesso reside no espelho da genuinidade das emoções que vivemos, somos extremamente criteriosos na escolha dos parceiros, preferimos casais apaixonados entre si e pelas zonas que pretendem representar, pois não queremos perder a linha de coerência emocional que nos caracteriza».

«Gostamos de fazer tudo com a devida calma e com os pés bem assentes no chão. Só assim se consegue manter o mesmo padrão de qualidade que até agora temos apresentado», diz Magda Tillis da HomeLovers, que, no entanto, não esconde a ambição. «Acabámos de chegar a Cascais e, em apenas três dias, já temos 1400 seguidores, o que é um ótimo presságio. Pensamos estar no Porto até ao fim do ano. Depois, quem sabe, não começaremos a testar o nosso modelo de negócio em Espanha e, caso corra bem, no resto da Europa».

Nenhum destes negócios gosta de ser visto como imobiliária, ainda que estejam casados com essa designação no papel. «Não nos consideramos uma imobiliária, apesar de licenciados como tal, somos uma plataforma de promoção de imóveis com caráter, com alma e sedutores, que interagem com pessoas que procuram a sua casa-metade, criamos a ponte perfeita entre promitentes inquilinos e proprietários», explica Yvette. «Costumamos dizer que a HomeLovers acrescenta valor à ideia generalizada de uma agência imobiliária tradicional», refere Magda Tilli.

O que é uma «lovemark»? Leia aqui.