O banco BPI acaba de ser multado em 125 mil dólares (pouco mais de 95 mil euros), por «intencionais e deliberadas violações» dos mecanismos internos de controlo de lavagem de dinheiro.

A decisão foi tomada por uma agência reguladora financeira norte-americana, a Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN), adianta a Lusa.

A mesma agência revela, também, que o banco já admitiu ter violado algumas normas do Bank Secrecy Act, a legislação que obriga as instituições financeiras a colaborarem com os reguladores na deteção de mecanismos de lavagem de dinheiro, pelo que aceitou a multa.

«Tratou-se apenas de uma falha de procedimentos internos, que o banco reconheceu», disse uma fonte oficial do BPI à Lusa. As falhas «já foram corrigidas no ano passado, depois da última avaliação».

Um comunicado de imprensa do FinCEN explica que, «apesar de ter sido repetidamente informado pelos reguladores, em 2005 e 2006, de preocupações sérias em relação ao seu programa anti lavagem de dinheiro, o BPI falhou em resolver essas e outras deficiências».

Em 2011, a mesma coisa: um exame realizado nesse ano «encontrou os mesmos problemas detetados cinco anos antes, altura em que autoridades estaduais e federais lançaram avisos e pediram ações corretivas por parte do banco», refere o mesmo documento.

Ao longo de três avaliações, o regulador encontrou falhas ao nível dos controlos internos, das audições externas e dos programas de formação.

Avisos multiplicaram-se

O FinCEN diz que «funcionários do BPI permitiram que clientes fizessem transações sem verificar e reter certa informação de identificação e permitiram que clientes fizessem transferências de dinheiro usando documentos de identificação expirados».

A diretora da instituição, Jennifer Shasky Calvery, veio mesmo reforçar, em comunicado, que «o BPI teve bastantes avisos, de reguladores estaduais, federais e mesmo do seu auditor independente».

«Não existe, absolutamente, qualquer desculpa para uma instituição financeira ignorar tais avisos e tornar o sistema financeiro norte-americano vulnerável a lavagem de dinheiro e financiamento terrorista», sublinhou ainda.

Fonte do BPI frisou, no entanto, segundo a Lusa, que a relação entre os bancos e os reguladores norte-americanos é saudável, tendo a instituição recebido, já no final de 2013, autorização para abrir escritórios em Newark, Nova Jérsia, e em Fall River, Massachusetts, pelo que a operação no país não estará comprometida.