A semana que este domingo se inicia vai ser marcada pelo arranque da época de divulgação dos resultados do primeiro trimestre das empresas nos Estados Unidos (EUA) que, a par dos vários indicadores que serão apresentados, concentrará as atenções dos investidores.

«Para a apresentação de resultados deste trimestre as estimativas apontam para um crescimento dos earnings [lucros] em termos homólogos de 1,7%. No entanto, e como temos constatado no nosso report [relatório] quinzenal Earnings Watch, as expectativas têm vindo a ser revistas em baixa de forma consecutiva desde setembro do ano passado quando os analistas apontavam um crescimento dos resultados de 9,3% no primeiro trimestre de 2014», avançou Ramiro Loureiro, analista do Millennium investment banking, à agência Lusa.

O especialista realçou que, desta forma, «ficou criada uma almofada que poderá ajudar as empresas a surpreender os mercados pela positiva, neste trimestre».

A Alcoa, gigante norte-americana da indústria do alumínio, dará o pontapé de saída da época de resultados nos EUA, libertando as contas entre janeiro e março ao mercado na terça-feira. Seguem-se-lhe a Progressive Corp, a Bed Bath & Beyond e a Constellation Brands na quarta-feira, a Family Dollar Stores na quinta-feira e a Fastenal, JP Morgan e Wells Fargo na sexta-feira.

Depois, existem vários indicadores macroeconómicos que também vão mexer com o sentimento dos investidores.

Ramiro Loureiro destacou «a divulgação das atas da última reunião da Reserva Federal dos EUA, na qual se poderá verificar as opiniões dos seus membros e assim complementar a avaliação até aqui feita relativa aos próximos passos a dar pela Fed».

Ainda no âmbito das decisões de bancos centrais, «o Banco de Inglaterra vai reunir, aguardando-se que mantenha a taxa de juro diretora e o montante de recompra de ativos nos valores atuais», sublinhou o analista.

A divulgação da Balança Comercial da China «poderá também influenciar o arranque das bolsas europeias na sessão de quinta-feira, devido à importância das suas importações e exportações para o velho continente», acrescentou.

Entre os vários indicadores que serão lançados no decorrer da semana, nota para os dados do instituto alemão Sentix sobre a produção industrial alemã e a confiança dos investidores na zona euro, os dados de evolução de crédito ao consumo nos EUA, a produção industrial no Reino Unido e o saldo da balança comercial no Japão.

Em Portugal, será divulgado na quarta-feira o saldo da balança comercial (o mesmo sucedendo na Alemanha) e o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) na quinta-feira.

A inflação no Brasil, na Alemanha e na China, os pedidos de subsídio de desemprego e a confiança dos consumidores nos EUA também vão merecer especial atenção dos investidores.

Finalmente, no mercado de dívida, na terça-feira a Grécia emite dívida a seis meses e a Alemanha obrigações com vencimento em 2030, voltando no dia seguinte com uma colocação a dois anos. Dia 10 será a vez de Espanha e Itália, que repete a 'dose' na sexta-feira com uma emissão a três anos.