O comunicado do Banco de Portugal deste domingo confirma o convite a Eduardo Stock da Cunha para suceder a Vítor Bento à frente da gestão do Novo Banco.

«O Fundo de Resolução e o Banco de Portugal convidaram para assumir a presidência do conselho de administração do Novo Banco o Dr. Eduardo Stock da Cunha, que está mandatado para formar e liderar uma experiente equipa motivada para o projecto de desenvolvimento e criação de valor para o banco», pode ler-se no comunicado a que a TVI24 teve acesso.



«A equipa de gestão entrará em funções logo que concluídos nos próximos dias os procedimentos prévios exigíveis, incluindo a formalização dos acordos de cedência (leave of absence) pelo Lloyds Banking Group (LBG) e Caixa Geral de Depósitos (CGD)».



Eduardo Stock da Cunha tem quase 30 anos de experiência no sector da banca. Atualmente estava a trabalhar no Lloyds convidado por António Horta Osório, depois de deixar a administração do Santander nos Estados Unidos. O percurso do banqueiro confunde-se com o do Santander. Stock da Cunha fez parte da equipa de Horta Osório que fundou o Santander Portugal e trabalhou ainda com Nuno Amado, que atualmente lidera o Millennium BCP. Tem uma vasta carreira no setor financeiro tendo trabalhado em Espanha, Estados Unidos e Inglaterra.

Stock da Cunha tem 51 anos, é formado em economia pela Universidade Católica e tem um MBA da Universidade Nova de Lisboa. Se aceitar o desafio, o banqueiro irá ter como objetivo a alienação do Novo Banco substituindo a atual administração que se encontra demissionária.

«O organismo liderado por O Dr. Eduardo Stock da Cunha tem uma longa experiência de sucesso no sector financeiro, tanto nacional como internacional. Atualmente desempenhava funções de diretor no Lloyds Banking Group (LBG), em Londres, depois de ter trabalhado vinte anos como administrador no Grupo Santander Totta e mais tarde no Sovereign Bank / Santander Bank N.A. nos Estados Unidos», acrescenta o documento.





«No seguimento das propostas do Dr. Eduardo Stock da Cunha como presidente, o novo conselho de administração do Novo Banco integrará o Dr. Jorge Freire Cardoso, como administrador responsável pela área financeira, contando também com o Dr. Vítor Fernandes e o Dr. José João Guilherme.



O Dr. Jorge Freire Cardoso, até aqui administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD), tem uma carreira distinta na área da banca de investimento, tendo sido anteriormente presidente da comissão executiva do Caixa - Banco de Investimento. O Dr. Vítor Fernandes foi administrador do Banco Comercial Português, da Caixa Geral de Depósitos e CEO da Seguradora Mundial Confiança. Quanto ao Dr. José João Guilherme, após cessar as suas funções como administrador do Banco Comercial Português e de CEO do BIM - Banco Internacional de Moçambique, dedica-se atualmente à administração de empresas não financeiras», esclarece o organismo liderado por Carlos Costa.



«Desde a resolução do BES, a prioridade do Fundo de Resolução e do Banco de Portugal foi sempre e continua a ser salvaguardar o interesse dos clientes do Novo Banco, dos seus trabalhadores e do sistema financeiro. Tal exige que num prazo tão curto quanto razoavelmente exequível, o Novo Banco passe a contar com uma estrutura acionista estável e que garanta o desenvolvimento de um projeto criador de valor para a instituição, para os seus trabalhadores, para o sistema financeiro e para a economia nacional», justifica o Banco de Portugal.

A decisão foi tomada em tempo recorde e durante o fim-de-semana, a tempo dos mercados abrirem esta segunda-feira, com um nome na mesa e sem alarmismos.